quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Constança

Não queria deixar de assinalar aqui, singelamente o concerto dedicado a Constança Capdeville “no ano em que comemoraria o seu 75º aniversário.” O concerto foi concebido e dirigido pelo António de Sousa Dias e levado a cabo por um grupo de pessoas que cruzaram caminhos musicais com ela. 
O que poderia dizer, em termos puramente pessoais, sobre a Contança ficará sempre aquém do que sinto. Seria, pois, nessa medida, um acto desinteressante, injusto e inútil para ela e para todos os que me pudessem ler.
Mas , não quero deixar de distinguir o concerto em si. Que melhor homenagem à Constança se poderia fazer? Que forma mais perfeita seria possível encontrar para demonstrar o fulgor do seu talento, invocar a sua infinita generosidade, lembrar a sua inesgotável capacidade para despertar a energia mais recôndita —que pensávamos que já não tínhamos— e o melhor que há em nós? 
O concerto, cujo título “Ce désert est faux” o António sabiamente escolheu, veio mostrar  a importância da  Constança, como se fez sentir e continua a fazer sentir, veio demonstrar a qualidade e o alcance da sua influência em todos nós, e veio, sobretudo, lembrar-nos, nestes tempos de combate e sem margem para dúvida, que o medo é uma ilusão. Ai de quem se deixa vencer por ele e coitado de quem acredita que através dele pode “vencer.”  Raramente ouvimos a palavra revolução dita de forma tão subtil, tão serena, mas tão peremptória e arrasadora, como quando pensamos em  Constança Capdeville. 

A Constança esteve, muito literalmente, viva, no domingo no CCB. Bem hajas António.