sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Decibéis? (1)

Numa edição recente do programa "Cuidado com a Língua" da RTP, um actor referiu várias vezes a palavra "decibéis". Sempre pensei que as unidades não tinham plural. Quando muito —quando muito!—o plural de decibel (unidade de medida em acústica, electrónica, etc) seria decibels, embora mesmo isto me cheire mal. Referi o caso à produção do programa. Quando ouço falar em “decibéis”, confesso, fico com arrepios.
Amavelmente, a produção do “Cuidado com a Língua” respondeu-me alertando para o facto de o Ciberdúvidas ter tratado duas vezes o tema. Como as respostas do Ciberdúvidas me suscitam sérias e legítimas dúvidas (sem ciber!) aqui deixo algumas considerações sobre o assunto. 
1) Não sou perito em Língua Portuguesa, mas sou utilizador da unidade "decibel" por profissão. Trabalhei na área do ruído muitos anos e, embora esteja afastado dessa matéria neste momento, como sou músico, o decibel continua, hoje como sempre, a cruzar-se com o meu quotidiano profissional. 
Sempre ouvi dizer que as unidades não têm género ou plural. Não se diz "uma" grama. Nem se devia dizer, de facto, em rigor, "dez gramas". A unidade é o grama (g). E o grama é uma unidade, não é um adjectivo ou um substantivo! É um número.
Mas, enfim, condescendo que soa um bocado esquisito dizer que uma coisa pesa “dez grama”. É, contudo, a forma correcta.
Quanto aos "decibéis", aí sim, a situação torna-se, na minha opinião, totalmente caricata. 
Deixem-me usar aqui alguma teoria... 
A unidade de que estamos a falar aqui é o bel. O bel é o logaritmo de uma razão entre os valores de duas 
variáveis. Na prática, o valor do bel é quase sempre um número enorme, cujo utilização não dá grande jeito. Daí 
dividir-se esse valor por dez, e daí o decibel, unidade que é usada na prática corrente. 
A unidade é portanto o bel (B). A tíltulo meramente exemplificativo, se não existisse esta convenção do decibel, teríamos de escrever do seguinte modo o Regulamento Geral do Ruído, no art. 4, Nº 3a: 
" As zonas sensíveis não podem ficar expostas a um nível sonoro contínuo equivalente, ponderado A, LAeq, do 
ruído ambiente exterior, superior a 550 B(A) no período diurno e 450 B(A) no período nocturno," em vez do que 
está escrito agora: 55 dB(A) e 45 dB(A). 
Pela lógica das respostas que o Ciberdúvidas deu,  advogando o uso de “decibéis” (assim mesmo, com acento agudo), ao ler aqueles valores  devíamos então dizer "quinhentos e cinquenta béis" e "quatrocentos e cinquenta béis", respectivamente. Um completo absurdo, como é fácil perceber. 
Nem sequer coincide com a forma correcta de referir o plural de outras palavras semelhantes como mel ou gel (por acaso há alguns anos coloquei essa dúvida ao Ciberdúvidas) que parece ser geles e meles. Ao menos então "decibeles"... 
Levando esta lógica por aí fora, a unidade de pressão pascal (Pa) deveria então ler-se no plural "pascáis", a unidade de força newton ler-se-ia "newtónes" e a unidade de indutância, o henry (H) teria talvez de ler-se "henries", assim em plural anglófono. Nada disto faz obviamente qualquer sentido. 
O que nos leva à questão do decibel cujo plural (se uma unidade, um, pudesse ter plural...) deveria então ser, quando muito  e pelas razões referidas, decibels. Se, como diz o Ciberdúvidas, "é sempre conveniente que se sigam as recomendações internacionais, pois estamos inseridos num espaço amplo de nações, e a univocidade facilita a comunicação entre os seus membros", devíamos então abolir esta prática dos "decibéis", que parece só existir neste Portugal avesso ao rigor científico e a esta confusão sobre o que é uma unidade de medida. 
2) Apesar deste horror ao rigor científico, a apropriação desta palavra "decibéis" como equivalente a "ruído", demonstra contudo uma preocupação pelo ambiente sonoro e uma sensibilidade ao problema do ruído que me parece interessante. Um sinal que coincide com a experiência que colhi durante o meu trabalho nesta área.
Ao inventar a palavra "decibéis", denotando "barulho a mais" ou a velha "chinfrineira", os portugueses demonstraram sensibilidade e capacidade de invenção. Admito, pois, sem grande problema, o uso corrente da palavra "decibéis" como sinónimo de barulho ou ruído em excesso. 

Já quanto a aceitar que se trate de uma forma legítima de introduzir o plural da unidade decibel no discurso científico e  técnico, aí tenho as minhas dúvidas. Desta vez, repito, sem ciber!